sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Boas Festas!

Faz seis meses que eu comecei este blog aqui. Não foi meu primeiro. Eu já tenho um que tem mais de seis anos, o Pirão sem Dono. O Escudinhos, contudo, alcançou nesses seis meses, uma média de visitas que o Pirão levou seis anos para obter. Não dá para não ficar orgulhoso e agradecido a todos os que tem lido o blog com freqüência. Obrigado aos leitores pelos elogios, pela companhia e espero que 2009 seja ainda melhor, para todos nós.

Boas festas e feliz ano novo.

Entro em um breve recesso agora. Volto em janeiro.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Atendendo a pedidos (19)

Ultimas cartelas de 2008, promoção, só na minha mão. Para o Márcio, o Hamburgo da Alemanha, quando esta ainda era Ocidental, kit de 1983. E para o Alexandre, atendendo a um pedido feito na comunidade do Orkut, o Partizan Belgrado com o kit Kappa de 2008/2009.








Hamburgo SV kit 1983 - Cartela de escudinhos (PDF)
Hamburgo SV kit 1983 - Cartela de escudinhos (PNG)








Partizan FK kit 2008/09 - Cartela de escudinhos (PDF)
Partizan FK kit 2008/09 - Cartela de escudinhos (PNG)

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Atendendo a pedidos (18)

O ano chega à reta final e o Escudinhos vai atendendo aos pedidos da fila - sim, ainda tem muito pedido pro ano que vem. Vamos lá então: o primeiro é um mini-kit do uniforme dois do São Paulo de 1986, especial para o Márcio. O segundo é um kit vintage do Santo André, também de 1986, pedido pelo Cláudio Sammartino.








São Paulo mini-kit 1986 - Cartela de escudinhos (PDF)
São Paulo mini-kit 1986 - Cartela de escudinhos (PNG)








Santo André kit 1986 - Cartela de escudinhos (PDF)
Santo André kit 1986 - Cartela de escudinhos (PNG)

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Jogos Inesquecíveis: Corinthians x Tiradentes-PI 1983

A década de 80 marcou o final da ditadura militar no Brasil. O momento era de luta pela redemocratização e no futebol, a época ficou marcada pela chamada "democracia corintiana", um movimento que transformou o clube. Liderada pelo meia Sócrates e pelos igualmente politizados Wladimir, Zenon e Casagrande, a "democracia" deu vida nova ao clube, que saiu de um péssimo campeonato brasileiro em 1981 para títulos paulistas em 82 e 83. O tempo da democracia foi marcado por jogos inequecíveis, entre eles, um ocorrido em 9 de fevereiro de 1983, no estádio do Canindé. Pelo campeonato brasileiro, jogavam o Corinthians e o pequeno Tiradentes do Piauí. Era o jogo de volta. Na ida, o time nordestino havia derrotado o alvinegro do Parque São Jorge por 2x1 em Teresina. Na volta à São Paulo, a torcida e a imprensa protestaram bastante. O que ninguém poderia prever é que o jogo de volta seria vencido por um placar tão dilatado: 10x1 para o Corinthians, com gols de Sócrates (4), Paulo Egídio (2), Biro-Biro, Ataliba, Vladimir e Vidótti. Escrevia-se naquela noite, a maior goleada da história dos campeonatos brasileiros.

Corinthians 10x1 Tiradentes-PI 1983 - Cartela de escudinhos (PDF)
Corinthians 10x1 Tiradentes-PI 1983 - Cartela de escudinhos (PNG)
Corinthians 10x1 Tiradentes-PI 1983 - Youtube

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Jogos inesquecíveis: Palmeiras x Vasco 2000


Há uma música da torcida vascaína que diz que "O Vasco é o time da virada". Os palmeirenses souberam da pior forma o que significava essa tradição cruzmaltina no dia 20 de novembro de 2000, em pleno Palestra Itália. Palmeiras e Vasco entravam em campo para, em um terceiro jogo, decidir a copa Mercosul daquele ano. O alviverde de Tuta, Arce e Magrão faz um primeiro tempo arrasador e abre a enorme vantagem de 3x0. Mas o Vasco também é conhecido no Rio como "Machão da Gama". O time que conquistaria o brasileiro naquele ano, tinha um ataque ainda mais impressionante que a máquina que vencera a Libertadores dois anos antes. E mesmo a pixotada de Júnior Baiano, expulso no segundo tempo, não impediu uma das mais fantásticas reações já vistas no futebol brasileiro. Os atacantes vascaínos enlouqueceram a defesa palmeirense. Juninho Paulista conseguiu dois pênaltis, convertidos por Romário. Depois, foi a vez dele mesmo marcar, já aos 45 minutos. Em campo, o Palmeiras estava completamente perdido. Do outro lado, Euller, antigo artilheiro do verdão, corria como nunca; Viola, ex-carrasco corinthiano, entortava os marcadores e os Juninhos Paulista e Pernambucano tabelavam rapidamente. E aos 48, a bola caprichosamente encontrou o craque Romário sozinho de cara para o gol aberto de Sérgio. Duro e inesquecível castigo para os torcedores que acompanhavam a peleja vestidos de verde e branco.

Palmeiras x Vasco 2000
- Cartela de escudinhos (PDF)
Palmeiras x Vasco 2000 - Cartela de escudinhos (PDF)
Palmeiras x Vasco 2000 - Youtube

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Kits: Palmeiras 1951 e Palestra Itália 1940

Entre os clubes brasileiros, a história palmeirense é uma das mais conhecidas. Poucos fora de Belo Horizonte, por exemplo, sabem que o Cruzeiro é um time de colônia italiana e que já se chamou Palestra Itália. Mas ninguém ignora que o Palestra Itália paulista, que daria origem ao Palmeiras, era um time legendário. Impedido de usar seu nome e suas cores em virtude da declaração de guerra do Brasil ao Eixo, o Palestra foi forçado a mudar de nome no ano de 1942. Dois anos antes, conquistara seu último título paulista. O Palmeiras, contudo, continuou a história de glórias do Palestra, como em 1951, ano em que os alviverdes venceram a Juventus de Turim e conquistaram a Taça Rio, que na época era considerada uma espécie de campeonato mundial interclubes.








Palestra Itália kit 1940 - Cartela de escudinhos (PDF)
Palestra Itália kit 1940 - Cartela de escudinhos (PNG)








Palmeiras kit 1951 - Cartela de escudinhos (PDF)
Palmeiras kit 1951 - Cartela de escudinhos (PNG)

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Clássicos: Palmeiras x Corinthians 1993

Existe algo melhor que ver seu time vencer um clássico, ainda mais o mais tradicional deles? Sim, se for a final de um campeonato. Ainda melhora mais quando seu time está há longos anos - mais de uma década e meia - sem conquistar um miserável título sequer. A história da conquista do paulistão de 1993 pelo Palmeiras sobre o Corinthians, se fosse só isso, já seria inesquecível. Mas um clássico como esses nunca é apenas mais um jogo. Afinal, o Palmeiras havia perdido a primeira partida das finais por 1x0 e Viola, o autor do gol, um dos grandes artilheiros corinthianos do fim do século, ainda o comemorou imitando um porco, para delírio dos alvinegros e desespero dos palmeirenses. Uma semana depois, entretanto, a história foi outra. No dia 12 de junho, a grande equipe de Vanderlei Luxemburgo, que tinha Zinho, Edmundo e Evair em campo, pisou o gramado do Morumbi mexida em seus brios e não só devolveu a derrota ao Timão como o goleou impiedosamente por 4x0. A alma palmeirense, depois de 16 anos de fila, estava lavada e enxagüada.

Palmeiras x Corinthians 1993 - Cartela de escudinhos (PDF)
Palmeiras x Corinthians 1993 - Cartela de escudinhos (PNG)
Palmeiras x Corinthians 1993 - Youtube

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Kits: Palmeiras 1972 e 1992

O verdão do Parque Antártica já vestiu uniformes de várias grandes marcas, como Rhummell, Reebok e Diadora. Atualmente veste Adidas. Foi um retorno, na verdade, já que a marca das três folhas foi a primeira grande fornecedora do Palmeiras. Da primeira fase, que terminou em 1992 (a Adidas voltaria a fornecer o equipamento palmeirense apenas em 2006), ficou um uniforme clássico e polêmico: o último, de 92, o primeiro listrado do clube. Questionada não só pelas listras, mas por ter um tom de verde bem mais claro que o tradicional, a camisa acabou querida pela torcida. Afinal, foi na época das listras que o Palmeiras voltou a ser um papão de títulos. Em contraste com a modernidade das listras em verde-folha, a tradição do uniforme de 1972/73 e do bicampeonato brasileiro da "academia" de Ademir da Guia e Leivinha. Como curiosidade, a Coca-Cola foi o único patrocinador principal do Palmeiras que não era diretamente ligado à colônia italiana. Atualmente, a FIAT patrocina o time, depois de anos com a Parmalat e a Pirelli.








Palmeiras kit 1992
- Cartela de escudinhos (PDF)
Palmeiras kit 1992 - Cartela de escudinhos (PNG)








Palmeiras kit 1972
- Cartela de escudinhos (PDF)
Palmeiras kit 1972 - Cartela de escudinhos (PNG)

Nota: o kit atual (2008) do Palmeiras já foi publicado aqui no Escudinhos.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

O alvi-verde imponente.

Há muitos clubes brasileiros que nasceram de agremiações de colônias de imigrantes. Em quase todos os estados do país esses clubes estão presentes, da Tuna Luso de Belém do Pará ao Juventude de Caxias do Sul. Contudo, possivelmente nenhum deles tenha tanta identificação com suas origens como a Sociedade Esportiva Palmeiras, de São Paulo. Mesmo o Vasco da Gama, português até no nome, é hoje um time de grande massa, que agrega todo tipo de torcedor. Torcer para o Palmeiras, ao contrário, é fazer uma viagem à uma Itália profunda, a mesma que faz da capital dos paulistanos uma cidade culturalmente tão característica. Assistir a um jogo no Palestra Itália é compartilhar as arquibancadas com famiglias inteiras, e gritar e gesticular como todo bom italiano. Além disso, o Palmeiras tem um passado rico em histórias e uma gloriosa quantidade de títulos. E como todo time de grande tradição e torcida, está sempre de mão dadas com a emoção.

E emoção é o que não falta na galeria de jogos inesquecíveis do alviverde. Basta entrar no youtube e pesquisar pelo "jogo mais emocionante da história" e aparecerá um Palmeiras x Flamengo, disputado no dia 21 de maio de 1999 pelas quartas-de-final da Copa do Brasil. O grande time de Luiz Felipe Scolari, comandado em campo por Zinho, Euller e Ozéas, Junior, Marcos e Galeano, precisava de uma vitória por dois gols de diferença sobre o rubro-negro carioca. E perdia por 2x1 até os 15 min do segundo tempo. Eis que, quando os torcedores palmeirenses já deixavam o Parque Antártica, começa uma das mais incríveis reações já vistas em campos brasileiros. Ao empate, seguiu-se a virada, dez minutos depois. Muitos torcedores voltaram ao estádio, que rugia aos gritos de "porco, porco!". E então, veio o último lance da partida, aos 44 min: escanteio para o Palmeiras, bola alçada na área do Flamengo, bate-rebate e o empurrão fatal de Euller para o fundo das redes, numa cabeçada de raça e vontade. Um jogo para ficar na memória de todo um país.

Palmeiras x Flamengo 1999 - Cartela de escudinhos (PDF)
Palmeiras x Flamengo 1999 - Cartela de escudinhos (PNG)
Palmeiras x Flamengo 1999 - Youtube

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Feedburner

Caros leitores que acompanham o Escudinhos pelos leitores de feeds/RSS...

(há algum?)

Atualizem seus cadastros, por gentileza. Agora o endereço é:

http://feeds.feedburner.com/Escudinhos

Grato pela atenção.

Clássicos: Milan x Internazionale 2008

Conhecido como Derby della Madonnina, o clássico da cidade de Milão entre o Associazione Calcio Milan e o Football Club Internazionale Milano representa uma das maiores rivalidades da história do futebol, principalmente porque os dois times tiveram a mesma origem. O Milan foi fundado em 16 de dezembro de 1899 por empresários ingleses e suíços. Lutas políticas dentro da agremiação, contudo, causaram insatisfações e precipitaram uma divisão. Os dissidentes italianos fundaram a Internazionale. De 1908 até 2007, os dois clubes disputaram 269 partidas. Dessas, 106 foram vencidas pelo Milan e 91 pela Inter, e ocorreram 72 empates. O Milan também é superior à Inter em títulos. Foram 50 contra 37, entre conquistas nacionais e internacionais. Nas duas equipes, jogam hoje vários ídolos brasileiros, como Kaká, Alexandre Pato e Ronaldinho Gaúcho (Milan) e Júlio César e Maicon (Inter).

Milan x Internazionale 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
Milan x Internazionale 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Atendendo a pedidos (17)

Dois pedidos atendidos hoje. O primeiro é o kit Adidas de 1979 do Internacional de Porto-Alegre, pedido pelo Márcio. Com esse uniforme, o atual campeão da Copa Sul-Americana conquistou seu último título brasileiro. Já o Vandrei pediu um clássico: Avaí e Figueirense, que eu apresento com os atuais uniformes dos dois clubes que acabaram trocando de divisão esse ano. Pela primeira vez, o time azul da Ressacada vai disputar a série A do brasileirão. O Figueira, por sua vez, acabou voltando para a série B. Para piorar, outro time grande catarinense, o Criciúma, único clube do estado a possuir um título nacional, vai puxar uma etapa na terceirona em 2009.








Internacional kit 1979 - Cartela de escudinhos (PDF)
Internacional kit 1979 - Cartela de escudinhos (PNG)








Avaí x Figueirense 2008 - Cartela de escudinhos - (PDF)
Avaí x Figueirense 2008 - Cartela de escudinhos - (PNG)

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Kits: Corinthians comemorativa 2008 e São Cristóvão 1926

Neste post, o Escudinhos apresenta um novo produto: os mini-kits. São kits com um jogo apenas de uniformes, para algumas situações especiais. Na estréia, duas delas: o jogo de camisas comemorativas do Corinthians pela volta à série A do campeonato brasileiro. As camisas foram utilizadas no jogo contra o Avaí-SC e apresentam fotografias em 3x4 de torcedores do timão, que pagaram até mil reais para ter seus rostos estampados nelas. Depois, o São Christóvão Atlético Clube, campeão carioca pela única vez em 1926. O time da zona norte do Rio de Janeiro, que hoje se chama São Cristóvão de Futebol e Regatas, é o único clube registrado na FIFA que não possui uniforme reserva. O kit traz a incorreção histórica dos números, que não eram utilizados em uniformes de futebol até a copa de 1950.








Corinthians mini-kit 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
Corinthians mini-kit 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)








São Cristóvão mini-kit 1926 - Cartela de escudinhos (PDF)
São Cristóvão mini-kit 1926 - Cartela de escudinhos (PNG)

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Atendendo a pedidos (16)

Dois times ingleses nos pedidos de hoje. Primeiro, um pedido do Fernando: dois kits do Arsenal Football Club, os conhecidos gunners ingleses, uma das mais tradicionais equipes do planeta, em seus uniformes Nike das temporadas de 2005 e atual. A de 2005 apresenta a camisa grená comemorativa da despedida do velho estádio Highbury, antiga casa do Arsenal, que agora manda seus jogos no moderníssimo Emirates Stadium. Depois, o West Ham United, tradicional equipe operária do oeste de Londres, conhecida como hammers ou irons, time do meu camarada Bruno e de ilustres torcedores como Barack Obama e Steve Harris, líder do grupo Iron Maiden.








Arsenal kit 2005
- Cartela de escudinhos (PDF)
Arsenal kit 2005 - Cartela de escudinhos (PNG)








Arsenal kit 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
Arsenal kit 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)








West Ham kit 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
West Ham kit 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Jogos inesquecíveis: São Paulo x Barcelona 1992

Ontem, o São Paulo Futebol Clube fez história: sagrou-se hexacampeão e ainda conquistou o primeiro tricampeonato consecutivo da história do Campeonato Brasileiro. Em homenagem ao tricolor do Morumbi, o post de hoje - a pedido do leitor Ricardo Rodrigues - apresenta o jogo que deu ao São Paulo seu primeiro título mundial interclubes. Foi em 12 de dezembro, no esturricado Estádio Nacional de Tóquio. Como se podia esperar, não foi um jogo fácil. Aos 12 min, o búlgaro Stoitchkov abriu o placar para o time catalão. Raí empatou aos 27, ainda no primeiro tempo. E o jogo foi para o intervalo. Zubizarreta e Zetti, os goleiros, faziam grande partida. Finalmente, aos 37 do segundo tempo, numa magistral cobrança de falta, Raí viraria a partida, que terminaria em 2x1 e tornaria o São Paulo o quarto clube brasileiro a vencer um mundial.

São Paulo x Barcelona 1992 - Cartela de escudinhos (PDF)
São Paulo x Barcelona 1992 - Cartela de escudinhos (PNG)
São Paulo x Barcelona 1992 - Youtube

Hora de ser grande

E eis que meu time foi rebaixado. Ainda não tinha passado por essa triste sensação, a não ser com meu glorioso Leão do Pici, o Fortaleza E.C.. Mas eu sei que o Fortaleza é um time regional, que apesar de grande torcida e tradição, nunca vai se firmar numa série A da vida. Pelo menos, esse ano, conseguiu escapar da série C. Mas com o Vasco é diferente. O Vasco é um time de grande tradição, de grande história, de grande tamanho. A série B é merecida sim, pela (pouca) qualidade do time, mas não pelo que representa o clube. Mas, o descenso, ainda que triste, não é uma tragédia. Tragédia foram os longos anos em que um presidente déspota tirou sistematicamente do clube da colina o que ele tinha de mais importante: o amor e o carinho das pessoas. O Vasco se tornou um clube antipático, ao qual ninguém queria atrelar seu nome. Sua torcida foi se envergonhando aos poucos. O time foi sendo desmantelado, os resultados sumindo, o dinheiro escasseando. Com a saída do ogro e a posse de Roberto Dinamite, ídolo maior, artilheiro até hoje recordista em brasileiros, a torcida do Vasco recuperou sua auto-estima. E ainda que o time tivesse poucas chances de corresponder ao amor reinventado dos torcedores, eles estavam lá, em São Januário, que já foi o maior do Brasil e que voltou a ser uma casa aberta e democrática. O Vasco caiu, mas o Vasco é feito de grandes homens, como o ex-massagista Santana (foto), que assistiu incrédulo ao rebaixamento. E grandes homens sabem se levantar, se reerguer, pensar suas feridas e voltar à luta. Isso é a cara, a alma e a história do clube cruzmaltino. Faço minha a frase do poeta Aldir Blanc: "Se o Vasco está na segundona, eu sou Vasco. Se estiver na terceirona, eu sou Vasco. E ainda que o Vasco acabe, eu continuarei sendo Vasco".

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Jogos Inesquecíveis: Cruzeiro x Vasco da Gama 1974

Poucos apaixonados pelo futebol não concordariam que o Cruzeiro dos anos 60 e 70 foi um dos melhores times do mundo. A equipe de Tostão, Nelinho, Raul, Palhinha, Piazza e Dirceu Lopes encantava os gramados. A conquista da Taça Brasil de 1966 diante do monumental Santos de Pelé foi um marco para o time mineiro. Contudo, esse mesmo time teve o dissabor de perder finais históricas em seqüência, como a do Mundial Interclubes de 1976, para o Bayern München de Rumennigge e Beckenbauer, e os brasileiros de 74 e 75, diante de Vasco e Internacional, respectivamente. Todas derrotas dolorosas. A de 74, contudo, foi mais amarga que as outras. Ficou claro, para quem quisesse ver, a tendenciosidade da CBD em relação àquele título. A decisão, que deveria ficar para o Mineirão (o Cruzeiro terminou o quadrangular final em primeiro lugar) foi transferida unilateralmente para o Maracanã, por polêmicas questões de "segurança" do estádio mineiro. No dia 01/08/74, o jogo foi apitado pelo também questionável Armando Marques, que claramente favoreceu o time carioca, que conquistou assim, seu primeiro título nacional.

Cruzeiro x Vasco da Gama 1974 - Cartela de escudinhos (PDF)
Cruzeiro x Vasco da Gama 1974 - Cartela de escudinhos (PNG)
Cruzeiro x Vasco da Gama 1974 - Youtube

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Kits: Cruzeiro 2003

Das conquistas da raposa mineira nas décadas de 90 e 2000, a maior delas, sem dúvida, aconteceu no ano de 2003. Sob o comando de Vanderlei Luxemburgo e capitaneado pelo craque Alex (hoje no Fenerbahçe), o Cruzeiro conquistou, de forma inédita no país, a "Tríplice Coroa": os títulos estadual, da Copa do Brasil e o do Campeonato Brasileiro. Como se não bastasse, o time realizou uma magnífica campanha no brasileirão, sagrando-se o primeiro campeão da era dos pontos corridos, com mais de cem gols marcados e com duas rodadas de antecedência. Esse título foi conquistado com uniformes da Topper. No ano seguinte, o Cruzeiro passaria a ostentar a coroa relativa a esses títulos em suas camisas.

Cruzeiro kit 2003 - Cartela de escudinhos (PDF)
Cruzeiro kit 2003 - Cartela de escudinhos (PNG)

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Clássicos: Cruzeiro x São Paulo 2000

Os anos 90 e 2000 foram de extrema felicidade para os cruzeirenses, que conquistaram uma série de 15 títulos - ao menos um por ano entre 1990 e 2006. Um desses títulos foi o tricampeonato da Copa do Brasil, conquistado no Mineirão sobre o São Paulo, num jogo emocionante. Aconteceu no dia 09 de julho e depois de um empate sem gols no Morumbi, no primeiro jogo da final, o Cruzeiro precisava vencer em casa para conquistar o título. O jogo se arrastava e somente na metade do segundo tempo, saiu o primeiro gol. Foi do tricolor paulista, contudo. Marcelinho Paraíba marcou aos 21min. O Cruzeiro tinha apenas 16 minutos para virar o jogo. E a virada heróica aconteceu. Aos 35min, gol de Fábio Junior e aos 46, Rogério Ceni aceitou uma cobrança de falta de Geovanni. A bola passou no meio da barreira. Delírio azul no maior de Minas.

Cruzeiro x São Paulo 2000 - Cartela de escudinhos (PDF)
Cruzeiro x São Paulo 2000 - Cartela de escudinhos (PNG)
Cruzeiro x São Paulo 2000 - Youtube

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Kits: Cruzeiro 2008








O Cruzeiro Esporte Clube já vestiu uniformes de várias fornecedoras, entre elas a Adidas, a Finta, Rhummel e Topper. Desde 2006, a alemã Puma fornece o equipamento esportivo do clube. Os atuais patrocinadores são a construtora Tenda e a Fiat.

Cruzeiro kit 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
Cruzeiro kit 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

A força azul.

Por incrível que possa parecer, em toda a grande extensão do território brasileiro, não são muitos os grandes times de futebol que guardam o azul como sua cor principal.Entre os times de primeira divisão, apenas dois o tem como cor principal e mesmo assim, um deles é um tricolor. Por isso, quando se vê uma massa azul de torcedores vibrando em um estádio de futebol brasileiro, podem apostar com quase totalidade de certeza, que ela pertencerá ao Cruzeiro Esporte Clube de Belo Horizonte. Um dos mais tradicionais clubes do futebol brasileiro, o Cruzeiro é pródigo em revelar craques e criar sensacionais máquinas de jogar futebol. Mais vitorioso time do estado de Minas em competições nacionais e internacionais, o Cruzeiro é um arrebatador de paixões, com torcedores fiéis e dedicados. Clube de colônia italiana, começou, assim como o Palmeiras, chamado de Palestra e mudou de nome algumas vezes. Lembrado sempre pelos grandes escretes setentistas, foi na virada do século que o time conquistou grande parte da sua nova geração de seguidores, com uma estrutura bastante organizada e uma poderosa seqüência de boas equipes, que traduziram em grandes títulos, o que já estava marcado no coração dos cruzeirenses: a grandeza e força da camisa azul.

E foi em 1997 que o Cruzeiro obteve uma dessas grandes conquistas: o bicampeonato da Libertadores da América, diante do peruano Sporting Cristal. Jogando em casa e diante de sua torcida, a raposa enfrentou um jogo duro, renhido. Dois heróis, contudo, fizeram a diferença: o atacante Elivélton, que em um chute despretensioso marcou o gol do título e o jovem goleiro Dida, que operou milagres para evitar o empate do adversário. Para as gerações mais novas de cruzeirenses, este foi um daqueles jogos que, sem trocadilho, estão entre os de "cinco estrelas" do seu time.

Cruzeiro x Sporting Cristal 1997 - Cartela de escudinhos (PDF)
Cruzeiro x Sporting Cristal 1997 - Cartela de escudinhos (PNG)
Cruzeiro x Sporting Cristal 1997 - Youtube

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Clássicos: Celtic x Glasgow Rangers 2008

O maior clássico do futebol mundial, em tradição e importância cultural não se encontra nos grandes centros do esporte, como Itália, Espanha, Inglaterra ou Brasil, mas na fria Escócia e em especial, na sombria Glasgow, centro industrial do país. É lá a terra de dois times que, mais que qualquer outros no planeta, evocam uma rivalidade que transcende qualquer esfera esportiva: o Celtic e o Rangers. O fato é que, antes de times de futebol, ambos são clubes de colônias, colônias essas que vivem há séculos em beligerância. O Celtic Football Club, fundado em 1887, é o time dos irlandeses pobres, católicos e separatistas. O Rangers Football Club, criado 15 anos antes, é o time dos escoceses ricos, protestantes e unionistas. E qualquer um sabe que essas duas vertentes populacionais só se comparam no ódio que sentem uns pelos outros. Esse conjunto de diferenças étnicas, religiosas, sociais e políticas, mais que qualquer outro lugar do mundo, é levado para dentro de campo, desenhando assim as cores do mais acirrado derby disputado na face da Terra. Os números do clássico favorecem o Rangers: desde 1888 são 376 jogos, 149 vencidos pelos azuis contra 135 vitórias dos verdes, além de 92 empates. O Rangers também tem mais títulos escoceses e uma torcida um pouco. O Celtic, entretanto, tem o título da Liga dos Campeões de 1967, tendo sido o primeiro clube do norte da europa a conquistá-la.

Celtic x Rangers 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
Celtic x Rangers 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)

Nota: Este foi o centésimo post do Escudinhos. E posso garantir que ainda tem muito mais. Obrigado aos leitores pela companhia.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Atendendo a pedidos (15)

Hoje, o pedido atendido é do camarada Rodrigo Barreira, um dos primeiros leitores do Escudinhos. E pela primeira vez, desenho um time com quatro uniformes: o Fenerbahçe de Istambul, time mais vitorioso e de maior torcida do futebol turco, time que foi dirigido recentemente pelo ex-jogador Zico e onde jogam hoje os brasileiros Alex, Roberto Carlos, Deivid e Edu Dracena. Os atuais uniformes Adidas deste time apresentam a inscrição alusiva ao centenário do clube, ocorrido no ano passado.








Fenerbahçe kit 1 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
Fenerbahçe kit 1 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)








Fenerbahçe kit 2 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
Fenerbahçe kit 2 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Kits: Atlético-GO 2008, Campinense 2008 e Duque de Caxias 2008

O post de kits dessa semana é uma homenagem aos times que terminaram nas primeiras colocações na Série C do Campeonato Brasileiro: o campeão, Atlético Goianiense, o Campinense da Paraíba, o Duque de Caxias, tricolor da Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro e o Guarani de Campinas, que já foi postado esse ano. Meu único lamento foi a não subida do Brasil de Pelotas, o valoroso xavante. Apesar de eu não normalmente não simpatizar com nenhum clube rubro-negro, eu estava torcendo pela subida do time gaúcho. Fica para a próxima.








Atlético-GO kit 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
Atlético-GO kit 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)








Campinense kit 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
Campinense kit 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)








Duque de Caxias kit 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
Duque de Caxias kit 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Atendendo a pedidos (14)

Começando os pedidos desta semana, três seleções propostas pelo Márcio: Argentina e Polônia da copa da Alemanha em 1974 e a Costa Rica da copa da Itália em 1990. O kit argentino é fiel ao uniforme usado naquela copa, ou seja, sem escudo. A Polônia é o histórico esquadrão que conquistou o terceiro lugar na Alemanha, com Tomaszewski, Zmuda e Lato. Já a Costa Rica apresenta o exótico uniforme em preto e branco com que enfrentou o Brasil em Turim, na primeira fase daquele torneio e que, segundo consta, foi criado como uma homenagem à Juventus, time daquela cidade.









Argentina kit 1974 - Cartela de escudinhos (PDF)
Argentina kit 1974 - Cartela de escudinhos (PNG)








Polônia kit 1974 - Cartela de escudinhos (PDF)
Polônia kit 1974 - Cartela de escudinhos (PNG)








Costa Rica kit 1990 - Cartela de escudinhos (PDF)
Costa Rica kit 1990 - Cartela de escudinhos (PNG)

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Jogos Inesquecíveis: Grêmio x Peñarol 1983

A primeira Taça Libertadores da história do Grêmio foi conquistada na gelada noite de 28 de julho de 1983. Em campo, o tricolor gaúcho recebia o Peñarol do Uruguai. A primeira partida, em Montevidéu, terminara empatada em 1 a 1. E nenhum dos gremistas, incluindo aí o capitão Hugo De León, legendário zagueiro uruguaio que jogava pelo time brasileiro, estava disposto a deixar a taça ir embora de Porto Alegre. Ao 10 do primeiro tempo, Caio marcou para os gaúchos. O uruguaio Morena empatou aos 25 do segundo tempo. Foi então que aos 31, o insinuante ponta-direita Renato Portaluppi arrancou, livrou-se da marcação e da linha de fundo, cruzou com categoria para que o centroavante César fizesse o gol do título. Setenta mil gremistas que estavam no Olímpico foram à loucura. Mas o que parecia apenas um belo jogo, teve também seu lado duro. O Grêmio fez naquela noite um dos seus jogos mais violentos. Uma verdadeira carnificina, bem ao estilo do ríspido capitão De León, que levantou a taça com o rosto sangrando - assim como também o atacante Tita. Mas isso era, no momento, apenas a prova de força, raça e valentia dos tricolores.

Grêmio x Peñarol 1983 - Cartela de escudinhos (PDF)
Grêmio x Peñarol 1983 - Cartela de escudinhos (PNG)
Grêmio x Peñarol 1983 - Youtube

Nota: Na época desta partida era comum que os times uruguaios e argentinos jogassem com camisas sem escudos. Este botão representa fielmente o Peñarol do dia do jogo.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Jogos Inesquecíveis: Botafogo x Juventude 1999

Como eu já falei aqui anteriormente, todo grande time carioca - incluindo aí os outrora grandes América e Bangu, sem falar na Seleção Brasileira - já viveram um maracanazo em suas histórias, ou seja, uma grande derrota dentro das quatro linhas do maior do mundo. A do Botafogo aconteceu no dia 27 de junho de 1999, numa partida em que o alvinegro não perdeu em campo, mas perdeu o título. O jogo, assistido por uma das maiores aglomerações de botafoguenses já colocada num estádio era a decisão da Copa do Brasil daquele ano. O Juventude, de Caxias do Sul, time com muito menos tradição, havia vencido o primeiro jogo em casa, por 2x1. O Botafogo precisava apenas de uma vitória simples. E durante os 90 minutos do jogo, buscou-a, enquanto o alvi-verde se defendeu. O esforço, contudo, foi em vão. A partida terminou num empate sem gols e a enorme torcida viu os gaúchos comemorarem seu único título nacional enquanto os jogadores alvinegros choravam em campo.

Botafogo x Juventude 1999 - Cartela de escudinhos (PDF)
Botafogo x Juventude 1999 - Cartela de escudinhos (PNG)

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Kits: Botafogo 1995








Uma das raras concessões que eu faço a patrocinadores nos meus botões é a do kit Finta do Botafogo campeão brasileiro de 1995. Porque este uniforme em especial não é reconhecido sem esse patrocínio. A Finta e a SevenUp deram sorte ao fogão naquele campeonato, decidido contra o Santos num polêmico jogo no Pacaembu. A Finta ficou de 1995 a 1997 no alvinegro e voltaria para mais dois anos, em 2002 e 2003 com outra camisa histórica, a que trazia o patrocínio do próprio Botafogo, com a marca "Botafogo no Coração".

Botafogo kit 1995 - Cartela de escudinhos (PDF)
Botafogo kit 1995 - Cartela de escudinhos (PNG)

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Clássicos: Botafogo x Santos 1963

Botafogo e Santos foram, sem pensar muito, os dois maiores times brasileiros da década de 60. A rivalidade entre eles é medida jogo a jogo, com uma pequena vantagem dos santistas em vitórias e um empate - isso mesmo - em decisões. Foram cinco ao total, sendo que uma delas, o torneio Rio-São Paulo de 1964, acabou sendo dividido entre os dois. A maior decisão entre os dois times, contudo, ocorrera no ano anterior, em 1963, valendo a disputa da Taça de Prata de 1962, o Torneio Roberto Gomes Pedrosa, como era conhecido o campeonato brasileiro antes de 1971. O Santos acabou vencendo o campeonato, mas no dia 31 de março de 1963, o Botafogo venceria a segunda partida da série por 3x1. Seria apenas uma partida normal, se não estivessem em campo os melhores jogadores brasileiros de todos os tempos. Pelo Santos, o goleiro Gilmar dos Santos Neves e ainda Zito, Mengálvio, Dorval, Coutinho, Pepe e o rei Pelé. O Botafogo entrou em campo trazendo o não menos mitológico goleiro Manga, Nilton Santos, Quarentinha, Amarildo, Zagallo e Mané Garrincha, a alegria do povo. Um jogo onde os maiores deuses da bola se encontraram no seu maior templo, o Maracanã. E deu Botafogo.

Botafogo x Santos 1963 - Cartela de escudinhos (PDF)
Botafogo x Santos 1963 - Cartela de escudinhos (PNG)

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Kits: Botafogo 2008








Vários fornecedores já vestiram o alvinegro de General Severiano, entre eles a Adidas, a Rhummell, Finta, Penalty, Topper e Umbro. Desde 2004 é a Kappa quem desenha e fornece o material esportivo do Botafogo, na mais longa seqüência de parceria do time com um fornecedor. O patrocínador atual do clube é a Liquigás. No mínimo, significativo.

Botafogo Kappa 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
Botafogo Kappa 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

O glorioso.

Muitos times no Brasil tem alcunhas, apelidos, epítetos e denominações heróicas e nobres. Mas apenas um time é chamado de "glorioso". E não só pelas palavras do seu hino, um daqueles magníficos hinos cariocas compostos por Lamartine Babo, mas também pela mística e história que carrega, ainda que, paradoxalmente, menos gloriosa que seus congêneres. Afinal, o Botafogo de Futebol e Regatas, mais conhecido alvinegro do Rio de Janeiro, nunca teve a pompa e o glamour do Fluminense, nem a avassaladora torcida e os títulos do Flamengo, nem mesmo a história de lutas e conquistas sociais e raciais do Vasco da Gama. O Botafogo, contudo, tem uma mística que acompanha poucos clubes no país. Seus torcedores são como fiéis religiosos: tensos, supersticiosos, ingrédulos, pessimistas e sobretudo, apaixonados pelo clube como se fosse parte da família. A história do clube é marcada, desde sempre, pela superação, pelas voltas por cima, pela eterna sombra do "quase" que tornou cada conquista e cada título um momento mágico. Pelo Botafogo passaram jogadores lendários, mas nunca as lendas que sustentavam o time, como Pelé ou Zico, mas ídolos pagãos, absurdos, tão geniosos quanto geniais. O Botafogo é o time de loucos magníficos como Heleno de Freitas, Garrincha, Manga e Amarildo, de iluminados quase sobrenaturais como Gérson e Nilton Santos, de artilheiros irreverentes como Túlio e Dodô. Essa miscelânea quase irreal, mistura de tragédia, sonho, ilusão e glórias é o espírito do Botafogo.

Haveria de ser um dia mágico e foi. E toda a superstição dos botafoguenses se traduziu nos números e nas coincidências. Dia 21 de junho de 89, Maracanã, 21º de temperatura (segundo marcava o placar eletrônico), 21 anos sem título. O gol veio aos 12 (21 ao contrário) minutos do segundo tempo, marcado de cabeça por Maurício (camisa 7 - o número de Garrincha), após o cruzamento de Mazolinha. Nesse dia, encerrava-se a fase mais sombria da história do clube da estrela solitária. Não houve no Rio de Janeiro quem não se comovesse com a festa e, com exceção dos irredutíveis rubro-negros (de Zico, Bebeto, Jorginho, Aldair, Leonardo e Zinho) derrotados na final, não houve quem na cidade que não tivesse torcido pelo Botafogo de Maurício, Gottardo, Mauro Galvão e Paulinho Criciúma, campeão invicto de 1989.

Botafogo x Flamengo 1989 - Cartela de escudinhos (PDF)
Botafogo x Flamengo 1989 - Cartela de escudinhos (PNG)
Botafogo x Flamengo 1989 - Youtube

Aviso aos navegantes

Caros amigos, como alguns já puderam perceber, eu tive um probleminha com os PDFs postados desde o início do blog (14/07) até o post de 17/10. Não sei o que houve e lamento o inconveniente. Estou, desde então, repostando esses PDFs nos próprios posts, do início para cá, e colocando PNGs onde não havia. Farei essa repostagem aos poucos, para não precisar parar as postagens atuais. Agradeço a compreensão e a paciência. Valeu.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Kits: Chile 1990, Uruguai 1995 e Paraguai 2008

Encerrando essa semana cheia de kits, três seleções sulamericanas em diversos anos. O Chile de 1990 com tradicional uniforme Adidas, idêntico ao utilizado naquela inesquecível partida das eliminatórias para a Copa da Itália, quando o goleiro Rojas simulou ter sido atingido por um rojão jogado por uma moça - Rosenery - que viria a ser conhecida como "a fogueteira". Descoberta a farsa, o Chile acabou eliminado da copa e Rojas, banido do futebol. Depois, a pedido do Leonardo, a seleção do Uruguai com uniforme NR de 1995. Por fim, o belo uniforme Adidas da bela seleção do Paraguai que vai liderando as eliminatórias para a copa de 2010.








Chile kit 1990 - Cartela de escudinhos (PDF)
Chile kit 1990 - Cartela de escudinhos (PNG)









Uruguai kit 1995 - Cartela de escudinhos (PDF)
Uruguai kit 1995 - Cartela de escudinhos (PNG)









Paraguai kit 2008 - Cartela de escudinhos (PDF)
Paraguai kit 2008 - Cartela de escudinhos (PNG)
(atualizado em 24/05/2009)

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Atendendo a pedidos (13)

Mais três pedidos do Márcio, apaixonado pelas seleções da copa de 1978 na Argentina. Eu já publiquei no blog quatro equipes que jogaram com o Brasil naquela copa: Argentina, Suécia, Peru e Polônia. Agora, as outras três seleções que também enfrentaram a equipe campeã moral da competição: Áustria, Espanha e Itália.








Áustria kit 1978 - Cartela de escudinhos (PDF)
Áustria kit 1978 - Cartela de escudinhos (PNG)









Espanha kit 1978 - Cartela de escudinhos (PDF)
Espanha kit 1978 - Cartela de escudinhos (PNG)









Itália kit 1978 - Cartela de escudinhos (PDF)
Itália kit 1978 - Cartela de escudinhos (PNG)