sexta-feira, 2 de julho de 2010

Copa 2010, episódio 19: O último fim de uma era.

A primeira vez que se falou em "era Dunga" foi em 1990, depois do fiasco da seleção de Lazaroni na copa da Itália. Desde então, derrotado ou vitorioso, Dunga simbolizou, nos anos que se seguiram, uma coisa que nem o brasileiro médio nem a mídia aceitavam com muita tranquilidade: o futebol feio, de marcação, de disciplina e aplicação tática, o que pode até ter trazido ao Brasil uma copa do mundo - a de 1994. Ora, de qualquer forma, convenhamos que, num país que já teve craques mágicos como Pelé, Garrincha, Leônidas, Zizinho, Didi, Zico, Romário e - vá lá... - os Ronaldos, ganhar uma copa com um meio campo que tinha Zinho e Mazinho foi até uma heresia. Mas enfim, vivemos a era dos resultados. Quem vence é herói, quem perde é um fracassado.

Só que isso não é nem nunca foi a cara e o jeito, nem do Brasil, nem do vitorioso futebol sulamericano. Essa história é coisa de americano, de WASP. Por mais que me irritasse ao extremo aquele oba-oba da copa de 2006, o monastério dos meninos de Cristo montado por Dunga e Jorginho acabou se provando falível no momento crucial. Lembrando, é claro, do implacável axioma que Renato Russo escreveu um dia: "Deus está do lado de quem vai vencer".

Agora a última "era Dunga" - a primeira parecia terminada em 1998 - se encerra. As glórias destes quatro anos serão sepultadas pelo patético cartão vermelho recebido por Felipe Melo no jogo contra a Holanda. Confesso, foi impossível, por mais críticas que eu tivesse à seleção, não torcer e não sofrer. E confesso também que meu bode maior nunca foi com o técnico, embora ele seja sim, uma pessoa intratável, descontrolada e ignorante. E nem nessa briga com a Globo eu estava do lado de alguém, pois como diz o profeta Franciel Cruz, dou um pelo outro e não quero troco. Meu bode é principalmente com o caráter fraco e questionável de alguns jogadores, principalmente as duas maiores estrelas desse time: Kaká e Robinho. Foi sobre esses dois galãzinhos de comercial que foram depositadas as esperanças da torcida brasileira por essa seleção. Porque nós nos esquecemos de quem são esses dois rapazes e o que eles já aprontaram, ou por seu desprezo às pessoas - caso de Robinho - ou por seu desprezo à seleção, quando as partidas e jogos eram menos importantes, como a copa América - caso de Kaká.

O triste é que o Brasil se ressente de algo que não possui há tempos, na verdade, desde 1970: uma seleção que jogue como o Brasil e vença. Eu creio que jamais veremos uma geração como aquela em campo novamente, como sei que nunca mais se reunirá novamente um Clube da Esquina, uma ipanema da Bossa Nova, uma Jovem Guarda, os Beatles, o Flamengo de Zico e Adílio, o Vasco de Ademir de Menezes, o Botafogo de Garrincha e Nilton Santos. Mas há de haver um time e um técnico por aí que resgatem nossa alegria, que nos remetam novamente ao futebol que só este país de pés-sujos e vira-latas sabe jogar. Que nunca nos tirem da cabeça e do coração que mais vale uma seleção como a "fracassada" equipe de 1982 que mil times de Felipe Bastos, Michel Alves, Daniel Melo e demais quejandos sem nome, passado ou futuro. Por mais que tenhamos torcido e nos vestidos de verde e amarelo, isso não era o Brasil. Que venha, então o próximo.

E claro, depois de todo esse #mimimi, e depois de ver com que RAÇA e SANGUE os uruguaios arrancaram do fundo de uma partida quase perdida a sua classificação - APRENDAM, dungaboyz! - vamos ao palpite - difícil - para a primeira das semifinais.

Como vocês perceberam, até um jogo fácil como Uruguai e Gana eu consegui errar. De qualquer modo, era uma aposta de 50%, já que qualquer dos dois uniformes de Gana dava certo contra a celeste. Gana deve ter vestido a superstição e a lembrança da vitória contra os EUA. Os ganenses lutaram muito, mas não deu. Agora, o Uruguai, depois de 40 anos, manda a primeira semifinal contra a Holanda. Não dá para vir completo porque a Holanda, a não ser que tenha uns pantalones brancos escondidos, só tem calções pretos ou azuis. Então, como ocorreu várias vezes na copa, o Uruguai vem alterado e a Holanda com o uniforme completo. Mas também pode ocorrer do Uruguai vir todo de branco. Quem garante o contrário?

Amanhã, a segunda partida das semis. E toda minha torcida para a Argentina.

13 comentários:

Melo disse...

Marcos, excelente comentário sobre a seleção do Dunga. Escolhas foram feitas, e os frutos foram colhidos. Não deixa de ser irônico constatar que, a exemplo da Copa anterior, o Brasil cai vítima dos seus próprios pontos fracos, que se mostraram fatais diante do primeiro adversário de nível realmente competitivo (o jogo com Portugal foi meio "amistoso", não conta).

Sobre os uniformes, vem ficando cada vez difícil para um "palpiteiro" acertar os uniformes hehe. Pô, celeste com branco pode ou não pode? Se pode, porque Gana de vermelho hoje? Se não pode, porque Coréia de branco nas oitavas? Além do critério que sempre muda, ainda tem esses fatores de superstição etc.

Finalizando, acho que a Holanda vem toda de laranja e o Uruguai normal. Se a Holanda não tiver terceira peça, aí eu acompanho o seu palpite.

Abs,

pephito disse...

Excelente post mi querido amigo y pronto vendran otras copas y ojala brasil vuelva a su viejo y maravilloso estilo.
ahora sola resta recuperarse del presente sentimiento un abrazo

Mário disse...

Onde eu assino?

RRC disse...

E, como em 2006, ALE x ARG é o único jogo com os 2 times com calções da mesma cor.
Na boa, prefiro assim do que se a ARG tivesse vindo com aquela combinação escrota do jogo com o MEX...

MarcosVP disse...

Quem aí viu o "comentário" do José Roberto Wright sobre os calções pretos? Patético...

RRC disse...

Que foi que ele disse, VP?

pr elton disse...

o marcos eu estou com 61 seleçoes na minha coleçao com os dois uniformes com escessao de irlanda e honduras com 3 uniformes mais sinto falta de algumas seleçoes feitas por vc com os dois uniformes sao elas turquia hungria pais de gales trinidad e tobago que esteve em 2006 jamaica canada teria como o senhor fazer elas para mim assim a minha coleçao de seleçoes ficaria mais completa por favor breve estarei postando as fotos no meu orkut pois estou acidentado fiquei 15 dias internado com 4 fratura no corpo acidente de carro

J. Sandes disse...

Muito bom seu comentário Marcos...gosto sempre de dizer que essa seleção não era a Brasileira, mas sim a seleção de Dunga e por mais otimismo que o brasileiro tivesse, não assisti aos jogos com aquela vibração das Copas Anteriores, incluindo a de 2006.

UNIFA: UNIAO DO FUTEBOL DE MESA ASSOCIADO disse...

Bem te pergunto qual o tecnico adequado..a seleçao...fica ai a pergunta par ao amigo e demais frequentadores..desse blog fantastico

MarcosVP disse...

Por mim, volta o Luiz Felipe Scolari.

Liga Prudentina de Futebol de Mesa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Liga Prudentina de Futebol de Mesa disse...

Bela matéria...
Por mim volta Felipão, mas acho difícil pois ele não esta mais interessado em comandar a seleção brasileira e ja esta contratado pelo Palmeiras.

Ezequias Viana disse...

Adorei a derrota da Argentina. Viva o futebol em todos os seus modelos de jogo. Brasil o maior campeão da história, com o maior artilheiro em jogo e em copas. Argentina só tem a marra. Abração.