segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Especial: Paysandu Sport Club

Eu já postei mais de duzentas cartelas no blog e por incrível que pareça, vários grandes times brasileiros - incluindo aí dois campeões do brasileirão - ainda não tem presença por aqui. Começo a corrigir essas injustiças por um dos times de maior torcida do norte-nordeste do país: o Paysandu Sport Club, o conhecido Papão da Curuzu, lembrando uma das maiores façanhas do time paraense: a de ter vencido o poderoso Boca Juniors de Carlitos Tévez em plena La Bombonera - vale lembrar que somente mais dois clubes brasileiros conseguiram tal feito: o Santos de Pelé e o Cruzeiro. O Paysandu havia conquistado o direito de ir à Libertadores ao vencer a Copa dos Campeões de 2002, derrotando o Cruzeiro por 4x3 na final (que ainda teve disputa de pênaltis). No ano seguinte, o alvi-celeste chegaria às oitavas-de-final da Libertadores. Acabou eliminado pelo Boca em pleno Mangueirão, é verdade. Mas a vitória do Paysandu ocorrida em 24 de abril de 2003, no mitológico estádio boquense, com apenas nove jogadores em campo e com um golaço de Iarley (um daqueles jogadores que tornam o futebol esse esporte fabuloso que é...) virou lenda e motivo de um eterno orgulho de sua torcida.


Paysandu x Boca Juniors 2003 - Cartela de escudinhos (PDF)
Paysandu x Boca Juniors 2003 - Cartela de escudinhos (PNG)


Disputando atualmente a série C do campeonato brasileiro, o Paysandu luta para voltar à elite, seu lugar de direito. O clube utiliza atualmente uniformes da Lotto.


Paysandu kit 2009 - Cartela de escudinhos (PDF)
Paysandu kit 2009 - Cartela de escudinhos (PNG)

5 comentários:

Raphael disse...

post bem lembrado....
parabens...
uma maravilha esses botoes do papão da curuzu...
um abraço

Cristiano Carvalho disse...

Ficaram ótimos Marcão! Continue assim!

Paulo Henrique disse...

Boa noite,

Outra vez peço licença para participar.

Achei bonitos os kits dos times do Rio, inclusive o Mangueira. E interessante é que os do Vasco ficam bem nos botões (ao contrário das "camisas reais", no mínimo "estranhas").

Outra boa: quando penso em sugerir o simpático e surpreendente (pela situação financeira atual dos clubes) campeonato paraense, eis que vem você com o Paysandu.

Então, mudo a proposta: nestes tempos iniciais de numeração fixa, que tal promover uma enquete com torcedores amantes do futebol de mesa, para que escalem, dentre os times que usam (Flamengo, Vasco, Corínthians, São Paulo,
Coritiba, Sport Recife e, provavelmente, Cruzeiro, Grêmio e Palmeiras), quais seriam os melhores jogadores e, a partir daí, montar os kits com os números correspondentes ? (Lá vai um chato "te dar trabalho"...)

Obrigado e um grande abraço,

Paulo H. G. Ramos Jr.
Rio de Janeiro

P.S. Se algum dia voce for montar o Treze FC, de Campina Grande (PB),"(...)os conselheiros do clube
decidiram homenagear a torcida, dando-lhes a exclusividade do uso da camisa número 13. As equipes de futebol, handebol e futsal do Galo, não usarão mais esse número." (www.trezefc.com.br e www.futebolnordeste.com - 06/02/2009).
Pê-Agá

MarcosVP disse...

Paulo, obrigado pelos elogios.
E sim, é verdade que vivemos no tempo da numeração fixa. Sua idéia tem cabimento. Contudo, tenho leitores que pedem justamente o contrário: números de 1 a 11. Nesse caso, vai ser difícil atender a todos.

Deste modo, prefiro fazer o seguinte: continuo com meu padrão: kits modernos de 1 a 11, com um número reserva no segundo uniforme e dois no terceiro; números realistas em jogos inesquecíveis quando eu tiver acesso a esses números; e números especiais quando o solicitante me mandar a relação de números. Essa terceira modalidade eu usei para fazer o Fenerbahçe.

E eu prometo não fazer a camisa 13 do Treze...:-)

Abraços!
MarcosVP

Paulo Henrique disse...

Caro Marcos,
Muito interessate seu padrão de numeração. Como leitor novo no blog, não tinha reparado nele.
Outra vez, obrigado pela atenção.
Paulo H G Ramos Jr
Rio de Janeiro